Campos dos Goytacazes
São João da Barra
São Francisco de Itabapoana
Italva
Cardoso Moreira

Campos dos Goytacazes, Domingo, 03 de Julho de 2022

A desculpa que não quer calar

24/08/2009
Por ALOYSIO BALBI


Desculpa. Essa é a palavra que deverá iniciar qualquer texto de jornalista que vivenciou as três últimas décadas da política campista, mais precisamente um dos controvertidos episódios em se tratando de eleições. Capote a ampulheta do tempo e voltemos às vésperas das eleições de 1982, quando era tudo junto e embolado: no mesmo dia, o eleitor tinha que votar no vereador, prefeito, deputado estadual, federal, senador e governador. Não se votava em presidente da República, pois era uma reserva de mercado dos generais.

Nesta época, em Campos, havia um jovem vereador que talvez tenha sido um dos melhores da história do município Duas legislaturas, e com suas opiniões e coragem em tempos de instabilidade. Convenceram o jovem, com menos de 30 anos, a ser candidato a prefeito pelo PTB, consequentemente apoiando a então candidata a governadora Sandra Cavalcanti, um general de saias.

Não era o perfil do jovem, mas fora a oportunidade que se apresentou. Aceitar uma oportunidade não significativa ser um oportunista: Leonel Brizola, uma das mais perfeitas biografia da política brasileira, tinha sido anistiado e se candidatura ao governo do Estado do Rio. Na reta final da campanha, o jovem vereador que vestia uma roupa que não lhe cabia bem, decidiu rasga-la em praça pública. Renunciou a candidatura e apoiou Leonel Brizola.

Conservador é um homem covarde demais para lutar e gordo demais para correr. O jovem vereador não tinha nada de conservador e percebeu que suas idéias iriam para o frigorífico onde seriam conservadas, porém longe das pessoas. A carreira política iria também para o frigorífico, mas para o abate. A história julga só os resultados e não os propósitos.

Foi massacrado no dia seguinte por toda imprensa. Na verdade, vendo de longe, a atitude do vereador foi de extrema grandeza para uma Campos tão pequena. O matara civilmente e abortaram uma promissora carreira política. O nome dele é Hélio Coelho, que começa a rascunhar um livro sobre o assunto. Desculpas sinceras lhe interessam. Tome a primeira.

Aloysio Balbi
Jornalista
Publicado no Jornal Folha da Manhã em 08 de agosto de 2009.
Página Opinião.
Atualizado por: edmar soares Filho

1

Dúvidas? Chame no WhatsApp