Campos dos Goytacazes
São João da Barra
São Francisco de Itabapoana
Italva
Cardoso Moreira

Campos dos Goytacazes, Sábado, 02 de Julho de 2022

Retrato do caos

22/04/2009
Por Dr. Wadih Damous


Wadih Damous*

As imagens das agressões a passageiros da SuperVia mostraram bem mais que covardia e ferocidade contra pessoas enlatadas nos vagões, rumo ao ganha-pão de cada dia. O caráter de humilhação das chibatadas a esmo sobre aquela gente, tratada como gado tangido, feriu, além de seus corpos e dignidade, a parcela da sociedade que não é obrigada a usar esse transporte de massa e só toma conhecimento do que acontece quando algo de espantoso chega a seus olhos e ouvidos.

Há notícias de outras agressões - e até roubo - de agentes contratados pela concessionária que deveria garantir conforto e segurança aos passageiros. Porque é remunerada para isso, tem essa obrigação, simplesmente.

Mas a falta de compromisso e respeito com a população que paga pelo serviço público concedido ao setor privado não se restringe à SuperVia.

Há dias, a direção da Barcas S/A, após revolta de passageiros comos atrasos, cometeu o absurdo de recomendar que usemos ônibus lotados nos horários de pico.

Um dos principais acionistas da Barcas S/A é a Viação 2001. Diante do caos e da muitíssimo provável repetição da revolta dos passageiros, o governo do estado emprestou R$ 8 milhões para a empresa comprar mais embarcações.

O que é essencial e urgente é que o poder público exija coma devida firmeza a contrapartida na melhoria dos serviços, ou esses milhões em recursos dos contribuintes poderão ir para o ralo. A agência reguladora que deveria fiscalizar e exigir a prestação de serviços para a população tem mostrado uma enorme ineficiência -ou complacência? - no cumprimento de suas obrigações.


*Wadih Damous é presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro.

Artigo ublicado no jornal O Dia, 21 de abril de 2009.



1

Dúvidas? Chame no WhatsApp