Campos dos Goytacazes
São João da Barra
São Francisco de Itabapoana
Italva
Cardoso Moreira

Campos dos Goytacazes, Sábado, 02 de Julho de 2022

OAB PELA PROMOÇÃO DA CULTURA DA PAZ

13/11/2008
Por Dr. Filipe Franco Estefan


Através da conferência nacional para superação da violência e promoção da cultura da PAZ, realizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil em parceira com a CNBB, o Ministério da Justiça, Congresso Nacional, CNJ, Poder Judiciário dos Estados, Universidades, Associação Brasileira de Imprensa, Departamentos de polícia Cívil, Militar e Federal, Defensorias Públicas, Ministério Público, dentre outras entidades, ficou consolidada a aprovação do Plano de Ações Estratégicas, que deverão ser efetivadas através de relatórios sobre os problemas e dificuldades vivenciadas pela sociedade acerca da violência, as atividades que devem ser exercidas, os órgãos responsáveis pela execução da ação, os parceiros da execução, bem como, o prazo de execução das atividades do referido plano denominado “Brasil contra a violência”. Mais do que um Plano de atividades com ações estratégicas, a iniciativa passa pela união da sociedade, através dos segmentos representativos, com o firme propósito de realçar a importância da paz social, essencial para a qualidade de vida do cidadão, e imprescindível ao estado democrático de direito em nosso país. Em recente evento realizado pela 12ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, o ilustre jurista e professor Paulo Bonavides, ressaltou a quinta geração de direitos, ou seja, o direito à PAZ. “Quem negar o direito à paz cometerá um crime contra o ser humano. O Estado que a violar deverá responder às outras nações”. “A defesa da paz se tornou um princípio constitucional e, como os outros princípios, tem ela mesma força e expressão normativa”. Costumo dizer que a paz é fundamental para o crescimento sócio-econômico, pois um país dividido pela inquietação da criminalidade, pela miséria, pela corrupção desmedida, pelo abandono dos direitos do homem, pela ausência de confiabilidade e credibilidade das instuições atravanca o desenvolvimento de toda a sociedade. Aliás não podemos perder de vista que a finalidade precípua da Lei é a Paz social. Aliás, evidencia-se neste contexto, a demanda por redefinição e reestruturação do direito e da defesa das instituições em prol da Paz, acompanhando um processo secular (defendido por Homens como Platão, Imannuel Kant, Santo Agostinho, Thomaz Hobbes, dentre outros), com uma visão contemporânea de valores e conceitos que emergem da vontade do Homem de poder viver em paz com seus semelhantes.   


1

Dúvidas? Chame no WhatsApp