Campos dos Goytacazes
São João da Barra
São Francisco de Itabapoana
Italva
Cardoso Moreira

Campos dos Goytacazes, Domingo, 07 de Agosto de 2022

Posse solene da OABRJ reúne autoridades no Theatro Municipal

Clara Passi - Foto: Flávia Freitas


29/03/2022 09h42

Cercada por autoridades dos três poderes, parlamentares, representantes de órgãos públicos e lideranças da advocacia, a diretoria que vai comandar a OABRJ neste triênio (2022-2024) foi empossada de forma solene no Theatro Municipal nesta segunda-feira, dia 28.

Luciano Bandeira começa agora o segundo mandato na Presidência da OABRJ. Também foram reconduzidos a vice-presidente, Ana Teresa Basilio, o secretário-geral Álvaro Quintão e o tesoureiro Marcello Oliveira. Mônica Alexandre Santos ocupa pela primeira vez o posto de secretária-adjunta da Seccional. O grupo foi reeleito em um pleito que mobilizou dezenas de milhares de colegas de todo o estado, em novembro de 2021.

Na mesma solenidade, tomaram posse os presidentes das 62 subseções da Ordem no estado, os conselheiros seccionais e federais, bem como o presidente da Caarj, Ricardo Menezes (que também conquistou um segundo mandato à frente da Caixa de Assistência) e a nova diretoria: a vice-presidente, Marisa Gaudio, o secretário-geral, Mauro Pereira dos Santos, a secretária-adjunta, Julia Vera Santos e o tesoureiro, Frederico Mendes. 

A cerimônia coroa um momento histórico da Ordem dos Advogados, que referenda agora a chegada aos postos de poder das lideranças incorporadas pelas cotas para pretos e pardos e paridade de gênero nas chapas do conselho. 

“Ampliamos a participação feminina. Se na primeira gestão tive Ana Tereza Basílio ao meu lado como vice, agora, além da Ana, contamos com Monica Alexandre Santos como secretária-adjunta. Metade de nosso Conselho é formado por advogadas. Nada do que fizemos teria sido possível sem a força de tantas mulheres advogadas. E nada mais será feito sem elas”, discursou Luciano diante de uma plateia calorosa, que encarou com bom humor uma queda de energia elétrica que afetou o Centro da cidade provocando um pequeno atraso no início da cerimônia.  

“A pandemia deixou marcas profundas. Trouxe dificuldades extras e inéditas para nossa primeira gestão. Tivemos que nos adaptar rapidamente. Mas o que fizemos servirá de legado para a advocacia fluminense”, disse o presidente, antes de detalhar as diversas ações de incremento de estrutura que a OABRJ empreendeu para viabilizar o exercício profissional dos colegas e frisar a centralidade que a defesa das prerrogativas perante o Judiciário ocupa no rol de prioridades da gestão.

“Ao tomar posse, há três anos, declarei que o único partido político da OAB é o Estado democrático de Direito e nossa ideologia é a Constituição. Não me afastei e não me afastarei dessas balizas. Em tempos polarizados optei por fazer uma gestão tolerante, que funcionasse como um espaço de diálogo e de respeito”, arrrematou Luciano.

O Conselho Federal da OAB foi representado por Felipe Santa Cruz, que abriu a cerimônia em nome do presidente recém-empossado Beto Simonetti. 

“O trabalho capitaneado pelo meu irmão Luciano Bandeira [durante a pandemia] foi reconhecido com a reeleição. Fomos a única seccional no Brasil com mais de 100 mil integrantes a reeleger sua diretoria. Em meio a uma tempestade, a advocacia compreendeu que a OAB do Rio de Janeiro fez tudo o que estava ao seu alcance para minimizar o drama, para lutar pela democracia”, disse Felipe, que homenageou a memória do ex-presidente da OABRJ Celso Fontenelle e elogiou seus antecessores Wadih Damous e Sergio Zveiter, presentes na solenidade, pelo legado de interiorização dos serviços da Ordem. 

“Começamos a gestão [anterior] com a advocacia sob fortíssimo ataque. Nossos colegas criminalistas estavam sendo tratados como bandidos. A advocacia tradicional não dobrou seus joelhos diante dos heróis de ocasião. Não há advocacia no Brasil dissociada da luta pela liberdade, da luta contra a censura, que se cale diante do negacionismo”, afirmou o ex-presidente da OAB. 

Em um momento descontraído, o prefeito Eduardo Paes contou que seu vínculo com a Ordem é “de frustração”, por ter se formado bacharel, mas nunca ter conseguido passar no Exame de Ordem e tirado a carteira da OAB. “Tenho profunda inveja de todos vocês”, disse, provocando risos. 

“São tempos difíceis os que vivemos no Brasil, em que as instituições são colocadas à prova. Mais uma vez a OABRJ mostra força na defesa das liberdades individuais, da democracia. Sabemos da correção e do espírito aguerrido de Luciano para encarar os desafios da advocacia em um estado tão complexo como o Rio de Janeiro”, enfatizou o prefeito.


O secretário de Estado da Casa Civil, Nicola Miccione, representou o governador Claudio Castro.  

“Luciano exerce a defesa dos maiores princípios da democracia e também zela pelas prerrogativas da advocacia, uma atividade tão sofrida, cujos membros trabalham de sol a sol, e que precisa de uma boa defesa de seu conselho de classe”.

O presidente do TJRJ, desembargador Henrique Figueira, exaltou os profundos laços que a OABRJ tem com o tribunal e notou que a Ordem tem se reinventado, tornando-se mais “democrática, aberta e próxima da população, como deve ser um órgão que presta função pública”.    

O ministro do STJ Antonio Saldanha Palheiros lembrou os 54 anos da morte do secundarista Edson Luís e a atuação decisiva que a OAB teve na comoção que se seguiu à morte do estudante, estopim de diversas manifestações por todo o país.

"A Ordem sempre foi um lugar de acolhimento, trincheira da defesa da República, democracia e liberdade, e assim tem se mantido".

O Instituto dos Advogados Brasileiros foi representado por sua presidente, Rita Cortez. Outros nomes que estiveram no palco, ao lado das lideranças da advocacia, foram o presidente da Alerj, André Ceciliano; o corregedor-geral da corte estadual, desembargador Ricardo Cardozo; a presidente do TRT1, desembargadora Edith Tourinho, o corregedor-geral do TRF2, desembargador Theophilo Miguel Filho; o subprocurador-geral do estado, Flavio Willeman; o procurador-geral do município, Daniel Bucar; o procurador-geral do MPF, Sergio Pinel; o procurador-geral do MPRJ, Luciano Mattos; o presidente do TRE, desembargador Elton Leme; o presidente do TCM, Luis Antonio Guaraná; o defensor público-geral do Estado, Rodrigo Pacheco.

Fonte: Site da OAB/RJ


1

Dúvidas? Chame no WhatsApp