Campos dos Goytacazes
São João da Barra
São Francisco de Itabapoana
Italva
Cardoso Moreira

Campos dos Goytacazes, Terça, 11 de Dezembro de 2018

Fórum de diretores discute soluções para melhorar gestão do sistema e-Proc na JFRJ

O presidente do TRF2, desembargador federal André Fontes, ladeado pelo diretor do foro da SJRJ, juiz federal Osair Victor de Oliveira Júnior e pela diretora da Secretaria Geral, Luciene Dau Miguel


28/11/2018 11h34

Com a declaração de que “para continuar prestando um serviço de qualidade é preciso fazer escolhas e promover mudanças”, o diretor do Foro da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, juiz federal Osair Victor de Oliveira Júnior, abriu o primeiro dia do Fórum de Debates para Diretores de Secretaria,  que acontece nos dias 26, 27 e 28 de novembro, no Fórum da Av. Rio Branco e na Sede Administrativa da Justiça Federal, no Centro do Rio.  Este ano, o evento tem como tema “A gestão da unidade judiciária com o e-Proc”. O objetivo é discutir formas para aprimorar o gerenciamento do sistema e compartilhar soluções para os problemas detectados durante sua implantação.

Integraram a mesa de abertura o presidente do TRF2, desembargador federal  André Fontes; o diretor do Foro, juiz federal Osair Victor de Oliveira Júnior, as diretoras das Secretarias Gerais da SJRJ e SJES, Luciene Dau Miguel e Neide Aparecida, respectivamente, e o diretor da 1ª VF/RJ, Elvis Presley Gama. Participam do evento 94 diretores de secretaria, representantes da Administração, consultores da Subsecretaria de Tecnologia e Informação, além de sete diretores do TRF4, que vieram colaborar com propostas e esclarecer dúvidas sobre o novo sistema processual, adotado pela 2ª Região no começo desse ano.

Em sua fala, o juiz federal Osair Victor destacou a importância da ferramenta, dizendo que vai agilizar o trâmite processual e facilitar o trabalho dos servidores. “Com o e-Proc, é possível fazer mais com menos esforço, sobretudo considerando uma realidade em que haverá menos servidores disponíveis por força da restrição de gastos com o serviço público”, esclareceu o juiz.

O magistrado se solidarizou, ainda, à dificuldade de adaptação dos servidores ao novo sistema e disse que mudanças sempre assustam. “Toda transição é difícil. Implica angústia, porque, num primeiro momento, não conseguiremos a mesma produtividade, o que acaba gerando pressão de uns sobre os outros”, afirmou dr. Osair Victor.

“Grande instrumento de conquista”

Em seu discurso de boas-vindas, o presidente do TRF2, desembargador federal André Fontes, defendeu a supremacia do e-Proc sobre o Apolo e apresentou as vantagens do novo sistema. “O código do Apolo já não é mais utilizado. O sistema também não pode ser expandido por conta de sua estrutura.  O e-Proc vai reduzir atividades repetitivas e funciona muito bem na área criminal”, explicou.

O desembargador também ressaltou a importância da adoção do sistema processual eletrônico desenvolvido pelo TRF4 em um cenário de orçamentos enxutos e redução do número de servidores nos órgãos.

Dr. André Fontes aproveitou o momento para relembrar as iniciativas que o TRF2 vem promovendo para dar mais conforto aos servidores, com foco na saúde, bem como a busca por locações mais adequadas para as subseções em condições menos privilegiadas, além da melhoria da comunicação interna entre os setores da casa e entre órgãos e instituições externas.

Por fim, o desembargador encorajou os servidores a adotar o e-Proc como “grande instrumento de conquista”. “Defendo, em Brasília, a qualidade do nosso serviço. Deixo claro em todos os lugares a que vou que temos os melhores servidores da Justiça brasileira. Por isso, transformem o e-Proc em um grande instrumento de conquista. Quanto mais consolidado, melhores resultados teremos e melhores estaremos nas classificações de desempenho”, defendeu.

Também se manifestou o diretor da 1ª VF, Elvis Presley Gama, que definiu o evento como uma oportunidade para “solucionar problemas” e “discutir procedimentos e desafios da digitalização e migração dos autos”, e a diretora da SG do Espírito Santo, Neide Aparecida, que destacou o “compartilhamento de informações e integração entre os colegas da 2ª Região”. A diretora da SG da SJRJ, Luciene Dau Miguel, também se pronunciou, afirmando que “vencendo a etapa da implantação, o novo sistema tem muito a oferecer aos servidores” e representará um marco para “o fortalecimento dos laços entre as Seções Judiciárias e o Tribunal”.  

Fonte: JF/RJ